VARIAÇÕES

VARIAÇÕES

quarta-feira, 4 de março de 2009

CALEIDOSCÓPIO / Herbert Vianna

Não é preciso apagar a luz
Eu fecho os olhos e tudo vem
Num caleidoscópio sem lógica
Eu quase posso ouvir a tua voz
Eu sinto a tua mão a me guiar
Pela noite a caminho de casa
Quem vai pagar as contas
Desse amor pagão
Me trazer à tona pra respirar
Quem vai chamar meu nome
Ou te escutar
Me pedindo pra apagar a luz
Amanheceu é hora de dormir
Nesse nosso relógio sem órbita
Se tudo tem que terminar assim
Que pelo menos seja até o fim
Pra gente não ter nunca mais
Que terminar
Quem vai pagar as contas
Desse amor pagão
Te dar a mão
Me trazer à tona pra respirar
Quem vai chamar meu nome
Ou te escutar
Me pedindo pra apagar a luz
Amanheceu é hora de dormir
Nesse nosso relógio sem órbita
Se tudo tem que terminar assim
Ou pelo menos seja até o fim
Pra gente não ter nunca mais
Que terminar