VARIAÇÕES

VARIAÇÕES

quarta-feira, 26 de maio de 2010

segunda-feira, 24 de maio de 2010

"O TEMPO DE UM REI"

"O TEMPO É DE BRINCAR, POIS É BRINCANDO QUE SE APRENDE VIVER."

terça-feira, 18 de maio de 2010

ORAÇÃO DO ANJO




Não permita Deus que eu morra
Sem ter visto a terra toda
Sem tocar tudo que existe
Não permita Deus que eu morra triste
Dai - me a graça de viajar de graça
Por essa esfera afora
De virar uma linda senhora
Uma linda lenda
Tecer cada fio da renda
Contar cada cacho
De cabelo de anjo
Transformá-lo num bonito arranjo
Da mais bela canção
Não permita Deus que eu me vá
Sem sorver esse guaraná
Sem espalhar meu fogo brando
E acalmar a brasa do mundo
E aquecer mais uma vez
O coração do universo
Nas contas do meu terço
Nas cordas do meu violão


Composição: Ceumar / Mathilda Kóvak

domingo, 9 de maio de 2010

O CACTO

Aquele cacto lembrava os gestos desesperados da estatuária:
Laocoonte constrangido pelas serpentes,
Ugolino e os filhos esfaimados.
Evocava também o seco nordeste, carnaubais, caatingas...
Era enorme, mesmo para esta terra de feracidades excepcionais.

Um dia um tufão furibundo abateu-o pela raiz.
O cacto tombou atravessado na rua,
Quebrou os beirais do casario fronteiro,
Impediu o trânsito de bonde, automóveis, carroças,
Arrebentou os cabos elétricos e durante vinte e quatro horas [privou a cidade de iluminação e energia:

- Era belo, áspero, intratável.

Manuel Bandeira

quarta-feira, 5 de maio de 2010

"O DESERTO É SECO, MAS NÃO É VAZIO"

Deserto de Atacama / Chile

Foto / Internet