VARIAÇÕES

VARIAÇÕES

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

BELEZA PURA - CAETANO VELOSO


Não me amarra dinheiro não!
Mas formosura
Dinheiro não!
A pele escura
Dinheiro não!
A carne dura
Dinheiro não!...

Moça preta do Curuzu
Beleza Pura!
Federação
Beleza Pura!
Boca do rio
Beleza Pura!
Dinheiro não!...

Quando essa preta
Começa a tratar do cabelo
É de se olhar
Toda trama da trança
Transa do cabelo
Conchas do mar
Ela manda buscar
Prá botar no cabelo
Toda minúcia, toda delícia...

Não me amarra dinheiro não!
Mas elegância...

Não me amarra dinheiro não!
Mas a cultura
Dinheiro não!
A pele escura
Dinheiro não!
A carne dura
Dinheiro não!...

Moço lindo do Badauê
Beleza Pura!
Do Ilê-Aiê
Beleza Pura!
Dinheiro hié!
Beleza Pura!
Dinheiro não!...

Dentro daquele turbante
Do filho de Gandhi
É o que há
Tudo é chique demais
Tudo é muito elegante
Manda botar!
Fina palha da costa
E que tudo se trance
Todos os búzios
Todos os ócios...

Não me amarra dinheiro não!
Mas os mistérios...

Não me amarra dinheiro não!
Beleza Pura!
Dinheiro não!
Beleza Pura!
Dinheiro não!
Beleza Pura!
Dinheiro Hié!

Beleza Pura!

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

BORBOLETA


No lago zulu
O casulo de seda
Da larga lagarta
Do corpo de estrela

Virada no vento
Não vai mais rasteira
Terá vida nova

Farfalla ligeira
Farfalla ligeira borboleta
Farfalla ligeira

Levada na cor
Recorta do ar
O cheiro da flor
Ruído do mar
Mas foge de mim
Na borda da mesa
Ou pousa no prato
De louça chinesa

Farfalla ligeira
Farfalla ligeira borboleta
Farfalla ligeira



Adriana Calcanhoto

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

"SEM CLAMORES, SEM APELOS"


PROSEANDO COM MARIA


Eu não se hoje ou ontem

Ou amanhã, qual foi o dia

Em que eu proseava com

Maria meu amor

E eu falava e ela ouvia

Que as ondas daquela praia

Que molhavam sua saia

São do mar do mundo inteiro

São daqui, são do estrangeiro

E que o vento sem critério

Que assanhava o seu cabelo

Já quebrou muitos mistérios

Sem clamores, sem apelos

Beijou flores no Japão

Perfumou o oriente

Derrubou sete mesquitas

Fez furor no Paquistão

Foi aí, que eu me perdi

E eu me esqueci de namorar...

Por que, que nós somos daqui

Por que, que nós somos de lá


Composição de Moraes Moreira