quinta-feira, 1 de abril de 2021

O que fica de nós mesmos

 

“ Tudo o que não fazemos por amor é tempo perdido. Tudo o que fazemos por amor, é a Eternidade reencontrada. A única coisa que não nos podem tirar, a única coisa que a morte não pode nos tirar, é aquilo que doamos. O que tivermos dado, nada, nem ninguém pode nos tirar. É esta doação, o que fica de nós mesmos”.

Jean-Yves Leloup


terça-feira, 23 de março de 2021

quinta-feira, 4 de março de 2021

É Possível Sonhar


 "Fica estabelecida a possibilidade 


De sonhar coisas impossíveis

E de caminhar livremente em

direção aos sonhos."


Montaigne

Ensinar Não É Obrigar!

“Ensina o teu filho no caminho em que deve andar, e até quando for velho não se desviará dele." PV 22.6.

 

Ensinar não é obrigar!

 

Procure entender seus filhos adolescentes. Não tente agradá-los e nem faça nada com a intenção de desagradá-los. Apenas procure entender o momento em que eles estão passando. Pois, eles estão passando por um momento muito difícil. Um momento de mudança física e também sentimental.

 

Lembre-se: o maior professor de todos os tempos chamou seus discípulos de amigos. E essa deve ser a única forma de ensinar algo a alguém. Porque o coração do amigo está aberto, é receptivo, vulnerável, mas o coração do inimigo é duro e impenetrável. O coração do inimigo só entende o conflito, a disputa e a vingança.

 

Portanto, seja amigo dos seus filhos – assim como Jesus foi dos seus discípulos. Se Jesus não reclamou a sua posição de Mestre e Senhor... Então para que você está reclamando sua posição de pai, ou de mãe?!

 

Seja o melhor amigo, e ninguém influenciará seu filho mais que você. Pense nisso!

 

Edson Carmo


domingo, 31 de janeiro de 2021

Sou livre... amo a palavra


 "Penso que não tive escolha

Fui escolhido e gostei da escolha

Faço o que sonho

Faço o que gosto

Sou um pouco irresponsável

com os passarinhos, isto seja:

Sou livre

Amo a palavra"

Manoel de Barros

Ser e conhecer


 "Se você quer ser realmente forte, você deveria conhecer seu ponto fraco."

S. Suzuki

quinta-feira, 21 de janeiro de 2021

Voo ou gaiola?


 

"Para voar é preciso ter coragem para enfrentar o terror do vazio. Porque é só no vazio que o voo acontece. O vazio é o espaço da liberdade, a ausência de certezas. Mas é isso o que tememos: o não ter certezas. Por isso trocamos o voo por gaiolas. As gaiolas são o lugar onde  as certezas moram.

É um engano pensar que os homens seriam livres se pudessem, que eles não são livres porque um estranho os engaiolou, que eles voariam se as portas estivessem abertas. A verdade é oposto. Não há carcereiros. Os homens preferem as gaiolas aos voos. São eles mesmos que constroem as gaiolas em que se aprisionam…"

Rubem Alves

Precisamos Educar o Coração

 O meu desejo é que, um dia, a educação formal preste atenção à educação do coração, ensinando amor, compaixão, justiça, perdão, atenção plena, tolerância e paz. Esta educação é necessária, desde o pré-escolar até ao ensino secundário e universitário. O que quero dizer é que precisamos da aprendizagem social, emocional e ética. Precisamos de uma iniciativa mundial para educar o coração e a mente nesta era moderna.

Atualmente, os nossos sistemas educativos são orientados principalmente para valores materiais e para o treino do nosso conhecimento. Mas a realidade ensina-nos que não chegamos à razão somente pela compreensão. Devemos colocar maior ênfase nos valores internos.
A intolerância leva ao ódio e à divisão. Os nossos filhos devem crescer com a ideia de que o diálogo, não a violência, é a melhor forma de resolver conflitos. As gerações mais jovens têm uma grande responsabilidade de garantir que o mundo se torne num lugar mais pacífico para todos. Mas isso só se pode tornar realidade se educarmos não apenas o cérebro, mas também o coração. Os sistemas educativos do futuro deveriam dar maior ênfase ao fortalecimento das competências humanas, tais como o calor humano, o sentido de unidade, humanidade e amor.
Vejo com maior clareza que nosso bem-estar espiritual não depende da religião, mas da nossa natureza humana inata – a nossa afinidade natural pela bondade, compaixão e cuidado pelos outros. Independentemente de pertencermos a uma religião, todos nós temos uma fonte fundamental e profundamente humana de ética dentro de nós mesmos. Precisamos  cultivar esta base ética partilhada.
A ética está fundamentada na natureza humana. Através da ética, podemos trabalhar na preservação da humanidade. A empatia é a base da coexistência humana. Acredito que o desenvolvimento humano depende da cooperação e não da concorrência. A ciência nos diz isso.
Precisamos  aprender que a humanidade é uma grande família. Somos todos irmãos e irmãs: fisicamente, mentalmente e emocionalmente. Mas ainda damos muita atenção às nossas diferenças, em vez darmos atenção às nossas semelhanças. Afinal, cada um de nós nasce da mesma maneira e morre da mesma maneira.

Dalai Lama

segunda-feira, 11 de janeiro de 2021

terça-feira, 5 de janeiro de 2021

O Corpo de Dor

 

 

No caso da maioria das pessoas, quase todos os pensamentos costumam ser involuntários, automáticos e repetitivos. Não são mais que uma espécie de estática mental e não satisfazem a nenhum propósito verdadeiro. Num sentido estrito, não pensamos - o pensamento acontece em nós.“Eu penso” é uma afirmação simplesmente tão falsa quanto “eu faço a digestão” ou “eu faço meu sangue circular”. A digestão acontece, a circulação acontece, o pensamento acontece.

 

 

A voz na nossa cabeça tem vida própria. A maioria de nós está à mercê dela; as pessoas vivem possuídas pelo pensamento, pela mente. E, uma vez que a mente é condicionada pelo passado, então somos forçados a reinterpretá-lo sem parar. O termo oriental para isso é carma.

 

 

O ego não é apenas a mente não observada, a voz na cabeça que finge ser nós, mas também as emoções não observadas que constituem as reações do corpo ao que essa voz diz. A voz na cabeça conta ao corpo uma história em que ele acredita e à qual reage. Essas reações são as emoções. A voz do ego perturba continuamente o estado natural de bem-estar do Ser.

 

 

Quase todo corpo humano se encontra sob grande tensão e estresse, mas não porque esteja sendo ameaçado por algum fator externo - a ameaça vem da mente.

 

 

O que é uma emoção negativa? É aquela que é tóxica para o corpo e interfere no seu equilíbrio e funcionamento harmonioso.

 

Medo, ansiedade, raiva, ressentimento, tristeza, rancor ou desgosto intenso, ciúme, inveja - tudo isso perturba o fluxo da energia pelo corpo, afeta o coração, o sistema imunológico, a digestão, a produção de hormônios, e assim por diante.

 

Até mesmo a medicina tradicional, que ainda sabe muito pouco sobre como o ego funciona, está começando a reconhecer a ligação entre os estados emocionais negativos e as doenças físicas. Uma emoção que prejudica nosso corpo também contamina as pessoas com quem temos contato e, indiretamente, por um processo de reação em cadeia, um incontável número de indivíduos com quem nunca nos encontramos. Existe um termo genérico para todas as emoções negativas: infelicidade.

 

Por causa da tendência humana de perpetuar emoções antigas, quase todo mundo carrega no seu campo energético um acúmulo de antigas dores emocionais, que chamamos de “corpo de dor”.

 

O “corpo de dor” não consegue digerir um pensamento feliz. Ele só tem capacidade para consumir os pensamentos negativos porque apenas esses são compatíveis com seu próprio campo de energia.

 

Não é que sejamos incapazes de deter o turbilhão de pensamentos negativos- o mais provável é que nos falte vontade de interromper seu curso. Isso acontece porque, nesse ponto, o “corpo de dor” está vivendo por nosso intermédio, fingindo ser nós. E, para ele, a dor é prazer. Ele devora ansiosamente todos os pensamentos negativos.

 

 

Nos relacionamentos íntimos, os “corpos de dor” costumam ser espertos o bastante para permanecer discretos até que as duas pessoas comecem a viver juntas e, de preferência, assinem um contrato comprometendo-se a ficar unidas pelo resto da vida.

Nós não nos casamos apenas com uma mulher ou com um homem, também nos casamos com o “corpo de dor” dessa pessoa. Pode ser um verdadeiro choque quando - talvez não muito tempo depois de começarmos a viver sob o mesmo teto ou após a lua-de-mel – vemos que nosso parceiro ou nossa parceira está exibindo uma personalidade totalmente diferente. Sua voz se torna mais áspera ou aguda, quando nos acusa, nos culpa ou grita conosco, em geral, por uma questão de menor importância. A essa altura, podemos nos perguntar se essa é a verdadeira face daquela pessoa – a que nunca tínhamos visto antes - e se cometemos um grande erro quando a escolhemos como companheira. Na realidade, essa não é sua face genuína, apenas o “corpo de dor” que assumiu temporariamente o controle. Seria difícil encontrar um parceiro ou uma parceira que não carregasse um “corpo de dor”; no entanto, seria sensato escolher alguém que não tivesse um “corpo de dor” tão denso.

 

O começo da nossa libertação do “corpo de dor” está em primeiro lugar na compreensão de que o temos. É nossa Presença Consciente que rompe a identificação com o “corpo de dor”. Quando não nos identificamos mais com ele, o “corpo de dor” torna-se incapaz de controlar nossos pensamentos e, assim, não consegue se renovar, pois, deixa de se alimentar deles. Na maioria dos casos, ele não se dissipa imediatamente.

 

No entanto, assim que desfazemos sua ligação com nosso pensamento, ele começa a perder energia. A energia que estava presa no “corpo de dor” muda sua frequência vibracional e é convertida em “Presença”.

 ECKHART TOLLE

quarta-feira, 16 de dezembro de 2020


 Tenha calma e tente desenvolver a paciência. Lembre-se de que nem tudo merece sua atenção.

O que fica de nós mesmos

  “ Tudo o que não fazemos por amor é tempo perdido. Tudo o que fazemos por amor, é a Eternidade reencontrada. A única coisa que não nos pod...